Add to My CalendarAdd to My Calendar

Susana Wichels é jornalista e investigadora na Universidade de Coimbra.

A que cheira um bar? O indelével perfume da conversa e do gin.

À conversa com Joaquim Veras, o gentleman da cocktelaria nacional e chefe dos bares do Vila Vita Parc.

A primeira coisa que nos cativa de Joaquim Veras, é a paixão que luz no seu olhar quando fala do bar. A segunda, são as intermináveis histórias, de quem passou toda uma vida atrás de um balcão.

Estamos à conversa no Oásis Bar, o bar central do Vila Vita Parc situado na zona adjacente à recepção. As madeiras escuras que recobrem as paredes, a decoração clássica e os confortáveis sofás e cadeirões dão-nos a impressão de estarmos num clube britânico. Um bar que muda com as estações Nas noites frias de Inverno acende-se a lareira enquanto se trocam dois dedos de conversa. Já as noites estivais convidam ao desfrute de um cocktail “al fresco” no terraço exterior com vista para os jardins, os lagos com fontes de repuxo e ao fundo o Oceano Atlântico.

Para Joaquim Veras, mixólogo de profissão e paixão, o bar é o coração palpitante do hotel, a essência do resort. Num bar de hotel, encaixam-se as diferentes peças de puzzle, as diferentes histórias humanas dos hóspedes. E é no bar Oásis que segundo, Veras se destila parte da identidade do Vila Vita Parc, ponto de encontro de hóspedes, mas também ponto de encontro de cada um. Mais do que um barman, Joaquim Veras assume-se com um psicólogo informal com conhecimentos extensos sobre a arte da mixologia. 

Desde os 15 anos que vê a vida desde o lado de lá do balcão. Para Veras o bar tem um perfume próprio, a mistura de especiarias que emanam da miríade de garrafas e soluções etílicas que se misturam no ar como poções mágicas.

"No bar é onde o sonho começa."
Joaquim Veras, mixólogo

A que cheira um bar?

O bar é um cenário com vários atores, onde “o barman improvisa sem guião” confessa o mixólogo. Para Joaquim Vera, o que mais lhe atrai no seu bar é o aroma adocicado, a especiarias e a rum. Um bar de hotel é esse lugar mítico onde se desenvolvem histórias humanas, cenário de um estilo de vida próprio onde o cocktail, ou a bebida, é o fio condutor da conversa e ponte entre pessoas. Durante os vinte e dois anos de carreira Joaquim já viveu e presenciou inúmeras histórias humanas, desde a conciliação de um matrimónio desavesso, até a propostas de casamento.

Os clientes entabulam conversa com Joaquim, que sabe quando calar e quando falar. De volta aos seus países, alguns hóspedes enviam-lhe postais, fotos e emails. “Até já recebi a fotografia de um bebé. O cliente ficou a saber aqui, no meu bar, que ia ser pai”, confessa com a emoção de quem vê, na sua arte, mais do que uma profissão, a dedicação plena.

Para iniciar a conversa, Joaquim Veras preparou um chá verde frio infusionado com flor de hibiscus. Aparece uma garrafa de vidro com um líquido avermelhado e nuances amareladas, no fundo a flor escarlate confitada. Ao verter o chá rubi no copo, libertam-se os perfumes do chá, a palha, a erva cortada e as notas florais do Hibiscus. Segundo Veras, os chás personalizados são uma das atuais tendências em mixologia, beberagens preparadas de acordo com o momento e o estado de ânimo da pessoa.

 

Primeira proposta de Joaquim Veras: chá verde frio infusionado com flor de hibiscus.
Primeira proposta de Joaquim Veras: chá verde frio infusionado com flor de hibiscus.

 

Existem várias etiquetas para designar a profissão de Barman: Mixólogo, Bartender, ou até Barista para os especializados na arte do café. Veras identifica-se com o conceito de mixólogo, que implica a arte da criação de bebidas, um vício pela descoberta de novos sabores e experiências.

No dia-a-dia, Joaquim Veras tenta passar à sua equipa, mais do que as receitas de mixologia, a essência da profissão: a empatia com o cliente. Segundo o profissional, a receita certa para um bom mixólogo, envolve a combinação de uma personalidade especial, o conhecimento e a história dos produtos, a sensibilidade para a mistura de sabores e perfumes, quer convencionais, quer inusitados.

“O bar é onde o sonho começa” mais uma das achegas poéticas de Veras para definir a sua paixão e lugar de trabalho. Num bar, é onde um casal se prepara mentalmente para uma experiência gastronómica com uma bebida antes de jantar e onde termina a noite com agradáveis sessões de conversa, ajudando a digestão com um bom cocktail ou de uma bebida fortificada.

Uma longa carreira atrás do balcão

Começou com 15 anos, escondido atrás do balcão do Sir Harris, o mítico bar inglês de Albufeira. “Nessa altura, os cavalheiros vestiam-se com fato e gravata para sair à noite. Nunca esquecerei essa época de glamour e elegância” revela.

O primeiro elemento que o fascinou num bar nem sequer foi a coleção de bebidas, mas sim a etiqueta dos copos, com os seus diferentes formatos, tamanhos e usos: “as transparências hipnotizaram-me desde pequeno e a arte de escolher o copo certo, valoriza muito a bebida”. Depois veio o conhecimento profundo dos produtos, dos licores, dos fortificados, dos gins e dos whiskies, dos bitters, através da ávida leitura de revistas especializadas coleccionadas por um dos seus tios, também ele, barman de profissão.

Já de barba dura, Joaquim Veras foi estudar o curso profissional de mesa e bar na escola de Hotelaria de Faro. Dessa época mantem o contacto com vários companheiros da “velha guarda da cocktelaria algarvia”, aqueles que se formaram no bar, como Joaquim de baixo para cima “da simples reposição da máquina de gelo, até muito mais tarde, à assinatura do cocktail”.

Hoje, depois de duas décadas de dedicação plena ao mundo do bar no Vila Vita Parc, Joaquim Veras entra na fase dourada da profissão, conciliando a vasta sabedoria com anos de experiência. Para além da formação interna que realiza com os seus companheiros de equipa, Veras colabora como palestrante em Escolas de Hotelaria e é júri da competição “Barman do Ano”.

Com a conversa bem embalada, Joaquim levanta-se da cadeira e passa para detrás do balcão. Deixa a teoria de lado e passa à arte empírica da mixologia. Prepara-me um cocktail especial, o Serra Sauer, também ele, testemunho das novas tendências, com a incorporação de ingredientes inusitados, mais próprios da gastronomia do que do bar. Serra Sauer, é um cocktail assinado por Joaquim Veras composto por uma eclética mistura de licores algarvios, como o licor de amêndoa e o medronho, um toque de açúcar, sumo de limão e de lima, clara de ovo, bitter de chocolate.

O copo é rebordado com nutella e cebola frita. O aspeto visual é uma surpresa, que, confesso, encaro com alguma desconfiança: é raro pensar-se na casamento entre o chocolate e a cebola. Na boca, os sabores insólitos são uma surpresa bem-vinda que resultam muito agradáveis. Vale a pena experimentar, este, ou outro cocktail de assinatura no Oásis Bar.

 

 Segunda proposta do mixólogo: "Serra Sour".
Segunda proposta do mixólogo: "Serra Sour".

 

 

Serra Sour:  Nutella e cebola frita num cocktail? Parece estranho... mas só provando é que saberá se gosta... eu cá gostei e recomendo!
Serra Sour: Nutella e cebola frita num cocktail? Parece estranho... mas só provando é que saberá se gosta... eu cá gostei e recomendo!

 

As tendências da mixologia segundo Joaquim Veras:

  • chás personalizados;
  • os "aged cocktails" cocktails com fortificados;
  • cocktails com productos gastronómicos inusitados;

 

Joaquim Veras posa com o menu do bar. Não é uma lista condensada, mas sim um livro de estilo de vida. Várias páginas incluem mais de trezentas referências, desde portos e licores, gins importados e nacionais, whiskies, champanhes, cocktails clássicos, cocktails inovadores, cafés e chás. Neste livro-menu encontram-se propostas para qualquer momento do dia.
Joaquim Veras posa com o menu do bar. Não é uma lista condensada, mas sim um livro de estilo de vida. Várias páginas incluem mais de trezentas referências, desde portos e licores, gins importados e nacionais, whiskies, champanhes, cocktails clássicos, cocktails inovadores, cafés e chás. Neste livro-menu encontram-se propostas para qualquer momento do dia.

 

 Cocktails com fortificados, no Oásis Bar do Vila Vita Parc.
Cocktails com fortificados, no Oásis Bar do Vila Vita Parc.

 

Uma das sugestões de Joaquim Veras: Hibiki, ou a arte do whisky Japonês.
Uma das sugestões de Joaquim Veras: Hibiki, ou a arte do whisky Japonês.

 

Joaquim Veras posa com o menu do bar. Não é uma lista condensada, mas sim um livro de estilo de vida. Várias páginas incluem mais de trezentas referências, desde portos e licores, gins importados e nacionais, whiskies, champanhes, cocktails clássicos, cocktails inovadores, cafés e chás. Neste livro-menu encontram-se propostas para qualquer momento do dia.  

Onde vamos hoje? O safari dos bares no Vila Vita Parc

Para além do Oásis, o bar de identidade do Vila Vita Parc, existem várias opções a descobrir durante a estância. No Delfim Bar, situado no Health Club, esperam-nos as tisanas, as bebidas saudáveis, os sumos detox e energéticos, perfeitos para complementar um treino desportivo ou desfrutar de momentos agradáveis junto à piscina.

No “Aladim Bar”, o mixólogo João Severino e a sua equipa esperam-nos com propostas de cocktelaria sofisticada para noites de glamour. É o lugar perfeito para usufruir de um cocktail de autor, depois de um jantar gourmet no restaurante Ocean.

O “Garden Bar”, situado na frente do relvado do Residence, oferece um balcão de contemplação atlântico. Joaquim Veras, o chef dos barman, aconselha-nos provar uma limonada com menta, enquanto descansamos o olhar no horizonte marítimo.

No edifício do Club House, encontramos a tropicalidade do “Pool Bar” protegida pela generosa sombra de um chapéu de sol gigante. É um dos lugares favoritos para famílias. Um dos traços caraterísticos deste “Pool Bar” é poder-se desfrutar de uma bebida, sentado num banco dentro da piscina.

De inspiração mourisca encontramos o “Manzar” um terraço pensado para usufruir do pôr-do-sol. A decoração convida-nos ao mundo das mil e uma noites, com os seus cadeirões e poufs marroquinos, gazebos em ferro,  lamparinas e tapetes.  Para além das bebidas tradicionais, pode-se provar o verdadeiro chá de menta árabe ou relaxar-se com o hipnotizante fumo da chicha. Existe uma boa carta de gin-tonic, também um complemento perfeito para o desfrute do céu rosado do fim do dia.

O Palm Bar, junto à grande piscina, oferece bebidas e snacks de caráter asiático e propostas saudáveis para desfrutar durante o dia.

O Bica Café assume-se com um bar dedicado ao café. O barista Jorge Cans é o especialista em bebidas com café, leite e chocolate. Existem propostas de pastelaria portuguesa e doces regionais, bem como uma cuidada seleção de produtos típicos.